terça-feira, 15 de agosto de 2017

A Herança do Deserto

Título no Brasil: A Herança do Deserto
Título Original: Heritage of the Desert
Ano de Produção: 1932
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Henry Hathaway
Roteiro: Zane Grey, Harold Shumate
Elenco: Randolph Scott, Sally Blane, J. Farrell MacDonald, David Landau, Gordon Westcott, Guinn 'Big Boy' Williams

Sinopse:
Adam Naab (J. Farrell MacDonald) é um fazendeiro, antigo bandoleiro e pistoleiro, que tem ambições de dominar todo o condado em que vive no Arizona. Ele tenta comprar as terras do rancheiro Jack Hare (Randolph Scott), mas esse se recusa a vender seu rancho. Pior do que isso, Naab deseja também a garota de Jack. Com isso a situação vai se tornando cada vez mais tensa até o inevitável duelo final.

Comentários: 
Depois de vários filmes mais sofisticados, chiques, produções do tipo "bolhas e champagne", finalmente Randolph Scott foi contratado para atuar em um faroeste. "A Herança do Deserto" de  Henry Hathaway trazia Randolph Scott como um cowboy envolvido bem no meio de uma disputa de terras no velho oeste americano. Ele fotografou muito bem com seus trajes de pistoleiro. O roteiro também foi um presente pois era bem escrito, com cenas marcantes. Produzido pela Paramount Pictures, filmado no próprio rancho da companhia, esse foi o primeiro grande sucesso de bilheteria de sua carreira. Um filme bem importante, que determinaria os rumos da filmografia do ator nas próximas décadas. O interessante é que por essa época Scott ainda não havia decidido se dedicar apenas aos filmes de faroeste. Ele tinha a ideia de apenas esporadicamente participar desse tipo de filme, porém com o tempo ele foi percebendo que as bilheterias de seus filmes de western eram bem superiores aos dos dramas e romances. Assim viu que o público o queria ver mesmo em trajes de cowboy, caminho do qual iria se dedicar mais com o passar dos anos.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Duelo Sangrento

Título no Brasil: Duelo Sangrento
Título Original: The Kid from Texas
Ano de Produção: 1950
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Kurt Neumann
Roteiro: Robert Hardy Andrews
Elenco: Audie Murphy, Gale Storm, Albert Dekker, Shepperd Strudwick, William Talman, Martin Garralaga

Sinopse:
O jovem William Bonney (Audie Murphy) chega em uma nova cidade do condado de Lincoln em busca de trabalho. Ele acaba conhecendo um rancheiro que lhe oferece apoio e amizade, lhe arranjando emprego e moradia. Pouco tempo depois seu patrão é covardemente assassinado. Assim Bonney, agora conhecido como "Billy The Kid", resolve vingar sua morte.

Comentários:

A década de 1950 começou e finalmente Audie Murphy encontrou seu caminho em Hollywood. O filme se chamava "Duelo Sangrento" e era a produção ideal que Murphy tanto esperava. Nesse western que tinha o título original de "The Kid from Texas", Murphy interpretava nada mais, nada menos do que um dos personagens históricos mais famosos da mitologia do velho oeste, o pistoleiro William Bonney, mais conhecido como 'Billy the Kid'. É curioso que quando a Universal contratou o diretor Kurt Neumann para dirigir o faroeste esse indicou ao estúdio o próprio Audie Murphy com quem havia trabalhado no filme anterior. Não haveria ninguém melhor para atuar como Kid. A crítica de um modo geral gostou do filme. Para muitos seria um "bom pequeno filme". Outra atração é que ele foi lançado em cores, considerado ainda na época como um sinal de capricho, de que a produção era realmente boa e que o estúdio confiava no sucesso. Historicamente o filme não era muito preciso. Billy The Kid não nasceu no Texas, como fazia supor o roteiro, ele havia nascido em Nova Iorque. Porém de uma maneira em geral aspectos históricos reais da vida de Kid foram mantidos, como seu envolvimento na guerra do condado de Lincoln.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Clint Eastwood e o Western - Parte 1

Depois de John Wayne o grande nome do western como gênero cinematográfica inegavelmente foi Clint Eastwood. Isso é curioso por vários motivos. Clint não participou da chamada era de ouro do faroeste americano, que ocorreu por volta dos anos 40 e 50. Ele só veio a surgir um pouco depois, quando o western já era considerado pelos críticos como um estilo de cinema ultrapassado, superado. Contra todas essas visões pessimistas Clint começou a estrelar seus filmes de western, na Itália e nos Estados Unidos. Com isso acabou se tornando um dos maiores astros da sétima arte.

O ator nasceu na Califórnia, em San Francisco, no ano de 1930. Sim, ele até teria idade para despontar nos anos 50, quando já tinha vinte anos, porém a carreira para Clint demorou um pouco a decolar. Hoje em dia ele é aclamado não apenas como um ator de sucesso, mas também como um cineasta extremamente talentoso, indicado várias vezes ao Oscar. E tudo começou com atuações em pequenas produções, filmes modestos, que serviram para, em um primeiro momento, apresentar Clint ao público espectador de cinema e TV.

O primeiro filme de sua carreira foi um filme de terror trash, uma produção B chamada "A Revanche do Monstro". Um daqueles filmes nada promissores que passavam em cinemas poeirentos do interior dos Estados Unidos. O curioso sobre esse comecinho de sua carreira como ator é que Clint foi pegando os trabalhos que eram oferecidos, sem se importar muito com a qualidade dos filmes. Algo comum e esperado para quem não tinha experiência e precisava essencialmente arranjar algum trabalho como ator para sobreviver.

Assim, ainda em 1955, lá estava o jovem Clint Eastwood envolvido em outro filme trash com monstros chamado "Tarântula!" Como era de praxe em filmes desse estilo na época tudo acontecia quando um inseto (uma aranha) era exposta a radiação! Depois disso ela começava a crescer sem parar, se transformando em um monstro de 9 metros de altura! Uma bobagem divertida daqueles tempos mais inocentes. A direção era do cineasta Jack Arnold, que foi o primeiro a enxergar em Clint um cowboy das telas. Conta-se que ele encarou o jovem ator durante um intervalo e disparou: "Ei, você deveria estar em um filme de western! Tem jeito para isso!". Um conselho e uma dica que Clint jamais esqueceria.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Hickok

Achei bem fraca essa nova versão da vida do pistoleiro Wild Bill Hickok. O melhor filme sobre ele segue sendo aquela boa produção com Jeff Bridges. Aqui temos um roteiro bem fraco, explorando a figura do lendário mito do velho oeste sem nenhuma surpresa nova. Quando o filme começa Wild Bill está lutando na guerra civil. Esqueça aquelas bem produzidas cenas de batalha. Sim, a batalha entre confederados e nortistas está lá, mais bem mal feita. Depois disso já encontramos o pistoleiro vagando pelo oeste, a esmo, em busca de trabalho ou algum serviço que lhe pague o almoço e o jantar do dia. Entre jogos, duelos em bares e conquistas amorosas de uma noite apenas, ele vai levando a vida em cima de seu cavalo, atravessando enormes distâncias.

Assim ele vai parar em Abilene, uma cidade que em determinados meses do ano vira entreposto de venda de grandes rebanhos de gado. E onde há gado há cowboys de todos os tipos, armados até os dentes, entrando em duelos nos saloons da cidade; Dessa maneira o prefeito resolve contratar um pistoleiro profissional para ser o novo xerife e Wild Bill acaba sendo o homem que ele precisava. Detalhe interessante: o prefeito é interpretado pelo veterano cantor, compositor e ator  Kris Kristofferson. Ele está bem envelhecido, com os anos bem marcados em cada ruga de seu rosto. É um veterano que merece todo o nosso respeito. Uma pena que o filme não esteja à sua altura. Já o protagonista é interpretado por um fraco Luke Hemsworth, que nem se esforça para melhorar um pouco o filme no quesito atuação. Então é isso, um filme fraco, para ser exibido em canais de TV a cabo. Sem surpresas, sem uma boa produção, esse novo filme sobre o tão temido Wild Bill Hickok é bem decepcionante. Melhor rever o filme com Jeff Bridges.

Hickok (Idem, Estados Unidos, 2017) Direção: Timothy Woodward Jr / Roteiro: Michael Lanahan / Elenco: Luke Hemsworth, Trace Adkins, Kris Kristofferson / Sinopse: Famoso pistoleiro do velho oeste, Wild Bill Hickok é escolhido para ser o novo xerife de Abilene, uma cidade que em alta temporada vira ponto de encontro de cowboys, bandoleiros e pistoleiros de todos os tipos. Manter a lei e a ordem ali não vai ser algo fácil de se fazer.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Audie Murphy e o Western - Parte 4

"Caminho da Perdição", o último filme de Audie Murphy na década de 1940, era um drama sobre delinquentes juvenis dirigido por Kurt Neumann. O elenco era formado praticamente todo por jovens desconhecidos, a única exceção era a presença de Jane Wyatt. Passava longe de ser um grande filme, indo mais para o lado do cinema B, porém serviu como mais um teste para Murphy como ator. De quebra ele conseguiu mais publicidade, mesmo que esse drama não fosse grande coisa. O simples fato de trazê-lo no poster já era um bom começo.

A década de 1950 começou e finalmente Audie Murphy encontrou seu caminho em Hollywood. O filme se chamava "Duelo Sangrento" e era a produção ideal que Murphy tanto esperava. Nesse western que tinha o título original de "The Kid from Texas", Murphy interpretava nada mais, nada menos do que um dos personagens históricos mais famosos da mitologia do velho oeste, o pistoleiro William Bonney, mais conhecido como 'Billy the Kid'. É curioso que quando a Universal contratou o diretor Kurt Neumann para dirigir o faroeste esse indicou ao estúdio o próprio Audie Murphy com quem havia trabalhado no filme anterior. Não haveria ninguém melhor para atuar como Kid.

A crítica de um modo geral gostou do filme. Para muitos seria um "bom pequeno filme". Outra atração é que ele foi lançado em cores, considerado ainda na época como um sinal de capricho, de que a produção era realmente boa e que o estúdio confiava no sucesso. Historicamente o filme não era muito preciso. Billy The Kid não nasceu no Texas, como fazia supor o roteiro, ele havia nascido em Nova Iorque. Porém de uma maneira em geral aspectos históricos da história de Kid foram mantidos, como seu envolvimento na guerra do condado de Lincoln.

Nesse mesmo ano Audie Murphy surgiria nas telas com mais um western intitulado no Brasil de "Serras Sangrentas". Originalmente o filme se chamava "Sierra" e era dirigido por Alfred E. Green. Baseado na novela escrita por Stuart Hardy, a estória mostrava a luta de pai e filho tentando sobreviver nas montanhas em uma época em que a lei e a ordem eram apenas esperanças vãs de surgir naquelas regiões perdidas do velho oeste. Curiosamente esse faroeste era estrelado por uma atriz, a bela Wanda Hendrix. Audie Murphy era apenas o segundo nome do elenco, mostrando que ele estava disposto a ceder espaço em prol de atuar em bons filmes, com roteiros mais bem escritos.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

O Duelo dos Fora da Lei

"O duelo dos fora da lei" conta a história de um caçador de recompensas que chega numa pequena cidade do velho oeste. Em cima de seus cavalos dois bandidos procurados. Ele obviamente entrega os corpos pensando justamente no dinheiro que irá receber por eles. O xerife da cidadezinha fica impressionado pela captura daqueles criminosos pois eram pistoleiros perigosos, procurados há anos. Assim oferece um emprego de delegado para o caçador de recompensas, que porém tem outros planos.

A questão é que a cidade é dominada por um sujeito inescrupuloso, cafetão e pistoleiro, que extorque dinheiro dos comerciantes locais em troca de "segurança". É uma extorsão velada já que o único perigo que existe no lugar vem dele mesmo. Há pouco tempo o facínora matou um honesto homem de negócios da cidade, um dono de saloon, que se recusou a pagar por seus "serviços". Será que o exímio atirador, que vive de capturar criminosos vai finalmente ceder, se tornando o novo delegado daquela cidade?

"O duelo dos fora da lei" é uma produção B, com orçamento modesto. Isso deixa transparecer para a tela. Você fica com a impressão de estar assistindo a um telefilme ou então uma produção feita para ser lançada diretamente em DVD, em venda direta ao consumidor. Em qualquer hipótese não é um filme para ser lançado nos cinemas. O roteiro é bem tradicional, alguns vão dizer que é repleto de clichês, mas devo dizer que tudo funciona bem, apesar dos eventuais problemas. Como escrevi não é um filme com produção suntuosa ou nada do tipo. Em sua falta de recursos até vale uma espiada pelos fãs do western.

O Duelo dos Fora da Lei (The Gundown, Estados Unidos, 2011) Direção: Dustin Rikert / Roteiro: Dustin Rikert, William Shockley / Elenco: Sheree J. Wilson, Andrew W. Walker, Peter Coyote / Sinopse: Caçador de recompensas chega numa cidadezinha poeirenta do velho oeste para receber o dinheiro da captura de dois criminosos procurados e acaba, sem querer, se envolvendo nas disputas locais. Os comerciantes da cidade são extorquidos por um criminoso que oferece "segurança" em troca de dinheiro.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Alien Thunder

Esse filme nunca foi lançado oficialmente nos cinemas no Brasil. Uma pena pois é uma produção das mais interessantes que explora a figura dos nativos americanos. Após serem derrotados nas chamadas guerras indígenas (aquelas onde o General Custer foi morto por guerreiros de Cachorro Louco e Touro Sentado), muitas tribos foram tiradas de suas terras e enviadas para desertos hostis onde não existiam caças, plantações e meios de vida. Subjugados, muitos índios, principalmente os mais jovens e fortes, não aceitaram essa situação, entrando em guerra novamente contra o homem branco.

Essa produção, também conhecida nos Estados Unidos como "Dan Candy's Law" mostra um desses jovens guerreiros que revoltados com sua situação e de sua gente resolve se insurgir contra os soldados americanos. Ele foge da reserva e começa um reinado de terror, até que um grupo de homens, caçadores de recompensas, é enviado para caçar os nativos revoltosos. O filme é dos anos 70 e apresenta uma boa produção. A direção ficou a cargo de um cineasta canadense, Claude Fournier, que trouxe um certo ritmo mais cadenciado ao filme, como se fosse um western americano dirigido por um francês! Donald Sutherland lidera o elenco. Com seus grandes olhos de peixe morto ele dá muita frieza e crueldade ao seu personagem, algo até bem adequado para a proposta desse faroeste. Então é isso, caso se depare com esse pouco conhecido western não deixe de conferir. Vale a pena.

Alien Thunder (Estados Unidos, Canadá, 1974) Direção: Claude Fournier / Roteiro: George Malko / Elenco: Donald Sutherland, Gordon Tootoosis, Chief Dan George / Sinopse: O ex-caçador de recompensas e agora sargento da cavalaria Dan Candy (Donald Sutherland) é designado para caçar e matar índios fugitivos. Ele está disposto a matar todo pele vermelha que encontrar em seu caminho. Filme baseado em fatos históricos reais.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 25 de julho de 2017

John Wayne - Metade Cowboy


John Wayne - Metade Cowboy
Curiosa foto tirada do astro de filmes de western John Wayne. Ele foi procurado pelo estúdio para refilmar algumas poucas cenas em close up. Como Wayne estava de férias, curtindo uma piscina, ele nem se deu ao trabalho de se vestir completamente de cowboy. Em trajes de banho, com a metade do figurino de cowboy, o ator finalmente filmou suas cenas de câmera fechada em seu rosto. Coisas de Hollywood.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

O Filho da Estrela Nascente

Título no Brasil: O Filho da Estrela Nascente
Título Original: Son of the Morning Star
Ano de Produção: 1991
País: Estados Unidos
Estúdio: Republic Television, The Mount Company
Direção: Mike Robe
Roteiro: Evan S. Connell, Melissa Mathison
Elenco: Gary Cole, Rosanna Arquette, Stanley Anderson, George Dickerson, Terry O'Quinn, Dean Stockwell

Sinopse:
Enviado pelo governo americano para combater guerreiros rebeldes das nações Sioux e Apache, o General George Armstrong Custer (Gary Cole) acaba caindo em uma emboscada numa região conhecida como Little Bighorn. O dia é 25 de junho de 1876 e a chacina da Sétima Cavalaria dos Estados Unidos entraria para a história. Filme vencedor do Primetime Emmy Awards nas categorias de Melhor Som, Figurino e Edição. 

Comentários:
Essa é uma minissérie que foi lançada no Brasil, no mercado de vídeo VHS, em edição dupla. A intenção dos produtores foi contar de forma isenta e historicamente correta a verdadeira história do General Custer e a Sétima Cavalaria. Como se sabe esse foi um dos eventos mais famosos da história do velho oeste americano, quando Custer e seus homens foram derrotados e mortos por nativos liderados por Cachorro Louco e Touro Sentado. A morte dos soldados e seu general traumatizou os americanos na época, a tal ponto que o exército entrou definitivamente na chamada guerra indígena, onde centenas de milhares de índios foram mortos em batalhas sangrentas e brutais. Outros foram despachados para territórios desertos, hostis, onde muitos morreram de fome ou pela exaustão de se viver em lugares tão impróprios para a vida humana. Assim o roteiro procura responder a pergunta que perdurou por todos esses séculos: Custer era um verdadeiro herói ou um carniceiro que foi fazer o serviço sujo do governo americano, matando homens, mulheres, idosos e crianças sem distinção? No meio da barbárie se destacam as boas cenas de luta e a reconstituição histórica perfeita que fez esse filme ser premiado pelo Emmy, o Oscar da TV americana. Hoje em dia essa produção anda meio esquecida. Pessoalmente nunca vi uma reprise nos canais de TV a cabo. Seria uma boa ideia resgatar esse bom momento televisivo sobre um dos generais mais controversos da história dos Estados Unidos e sua colonização rumo ao oeste selvagem. 

Pablo Aluísio.

terça-feira, 18 de julho de 2017

The Son

"The Son" é uma nova série de western do canal amc. Como era de se esperar é um programa excelente. No primeiro episódio temos duas linhas narrativas, uma no passado e outra no presente. Na juventude Eli McCullough presencia o rancho em que sua família vive ser atacado por índios selvagens. Eles cercam o lugar e começam a forçar a entrada na casa. Dentro dela só está Eli, seu irmão mais jovem, sua irmã e sua mãe. Pessoas indefesas contra um bando de nativos violentos. Esse acontecimento vai moldar a personalidade de Eli pelo resto de sua vida.

Muitas décadas depois reencontramos Eli. Ele é um homem poderoso, dono de terras, pai de família. Um sujeito forjado na dureza do Texas. Conhecido como o coronel do sul do estado, eles quer atrair investidores para seus recém construídos poços de perfuração de petróleo, pois acredita que as terras do Texas estão cheias do ouro negro. O problema é ter que lidar com um grupo de jovens mexicanos que acham os americanos invasores de suas terras (originalmente o Texas pertencia ao México, em um passado distante). Assim promovem sabotagens e podemos até dizer, atos de terrorismo contra os empreendimentos de Eli, que ao velho estilo texano resolve responder com violência, sem lugar para o perdão.

Já no primeiro episódio você sabe que "The Son" é uma excelente série. A produção é impecável e os episódios são extremamente bem produzidos, escritos e atuados. Uma novidade muito bem-vinda é a chegada do ex- James Bond Pierce Brosnan nesse novo mercado, das séries televisivas. Ele tem um personagem forte e marcante em mãos (o Eli) e pode certamente ter agora um dos melhores trabalhos de toda a sua carreira. Com duas linhas temporais, os roteiros exploram a dura vida de um Texas ainda inóspito, cheio de índios e depois recebendo as primeiras inovações de um mundo mais tecnológico que nascia, com carros e indústria petrolífera. Enfim, essa é uma série imperdível para quem gosta de história e western.

The Son (The Son, EUA, 2017) Direção: Brian McGreevy, Philipp Meyer, Lee Shipman / Roteiro: Kevin Dowling, Olatunde Osunsanmi, Tom Vaughan / Elenco: Pierce Brosnan, Jacob Lofland, Henry Garrett / Sinopse: A série mostra a vida de Eli McCullough (Brosnan), um homem que tenta sobreviver na aridez e na selvageria do Texas, onde índios e mexicanos tentam de tudo para destruir seus planos e sonhos de ter uma vida melhor.

Episódios Comentados:

The Son 1.02 - The Plum Tree
Deixando a Inglaterra da era Vitoriana para trás conferi mais um episódio de "The Son". O segundo episódio se chama "The Plum Tree". No anterior um grupo de mexicanos (que sonham com a anexação do sul do Texas ao México) resolveram destruir uma plataforma de petróleo da propriedade do Coronel Eli McCullough (Brosnan). Capturados, agora vão precisar contar tudo no velho estilo de resolver problemas do Texas, com um bastão de beisebol usado para quebrar suas pernas. Ironicamente o filho do Coronel acha tudo aquilo bem indigno, mas acaba tendo que, digamos, sujar as mãos! Uma guerra racial então fica prestes a explodir. / The Son 1.02 - The Plum Tree (Estados Unidos, 2017) Direção: Kevin Dowling / Roteiro: Philipp Meyer / Elenco: Pierce Brosnan, Jacob Lofland, Henry Garrett.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Mato Hoje, Morro Amanhã

Depois de passar cinco anos numa cadeia por um crime que não cometeu, o rancheiro Bill Kiowa (Brett Halsey) é finalmente libertado. Cumpriu finalmente toda a sua pena. Na saída da prisão ele é perguntado o que sente nessa hora. Sua resposta: "Eu não sinto nada! Apenas ódio!". E é justamente esse ódio que vai mover suas atitudes dali em diante. Ele quer matar o homem que o colocou atrás das grades, um assassino e assaltante conhecido como "El Fuego". O problema é que esse criminoso não está só. Ele comanda uma grande quadrilha que vive de roubar e matar passageiros de diligências. Apenas com outro grupo de pistoleiros Kiowa conseguirá vencê-lo. Assim ele começa a recrutar seus homens, sujeitos conhecidos por causa de suas habilidades com as armas.

Esse western spaghetii chamado "Mato Hoje, Morro Amanhã" sempre foi muito elogiado pela crítica, principalmente por causa de seu bom roteiro. A explicação para isso tem nome: Dario Argento. O mestre dos filmes de terror deu uma pausa em sua carreira e resolveu escrever esse enredo e esse roteiro. Desde as primeiras cenas descobrimos como Argento era habilidoso como escritor. Ele utilizou os clichês do gênero e os manipulou como poucos, em seu proveito e em favor do filme como um todo. Pegando elementos de filmes diversos, inclusive alguns clássicos como "Sete Homens e um Destino" ele criou uma estória redondinha, sem falhas, que se fecha muito bem em si mesma. Para isso não faltaram os elementos que todos já conhecemos como a jornada de vingança, a união em prol de um objetivo comum e o duelo final. Nenhuma novidade para dizer a verdade, mas Argento soube como manter a atenção do espectador até o fim. Coisa de mestre realmente.

O elenco também é muito bom e interessante, a começar por Bud Spencer, um dos atores mais populares no Brasil. Com seu jeito bonachão, em contraste com seu corpanzil imenso, Spencer tinha muito carisma. Nos filmes que fez ao lado de Terence Hill havia muito mais espaço para o humor. Aqui ele ainda existe (como na cena da barbearia), porém seu personagem é um pouquinho mais sério. O astro do filme na verdade nem é Spencer, mas sim Brett Halsey que usou o pseudônimo de Montgomery Ford. Ele era bem parecido com Franco Nero e o uso de um figurino quase completamente semelhante ao de Django reforçou ainda mais essa semelhança. A diferença básica era que Brett era americano, ao contrário de Nero. Por fim uma informação curiosa: O filme no Brasil também é conhecido como "Hoje eu... Amanhã você!". Isso era comum de acontecer nos anos 60 e 70, quando as emissoras de TV mudavam os títulos dos filmes. Nos cinemas eles tinham recebido outro nome. Coisas de Brasil...

Hoje Eu... Amanhã Você / Mato Hoje, Morro Amanhã (Oggi a me... domani a te!, Espanha, Itália, 1968) Direção: Tonino Cervi / Roteiro: Dario Argento, Tonino Cervi / Elenco: Brett Halsey, Bud Spencer, Wayde Preston / Sinopse: Após passar anos na cadeia, Bill Kiowa (Brett Halsey) quer vingança contra o responsável por sua prisão e pela morte e estupro de sua esposa, uma jovem nativa. Para isso ele decide formar um grupo de pistoleiros e homens rápidos no gatilho. Ele quer saciar sua sede de ódio e justiça.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 11 de julho de 2017

A Última Carroça

Título no Brasil: A Última Carroça
Título Original: The Last Wagon
Ano de Produção: 1956
País: Estados Unidos
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: Delmer Daves
Roteiro: James Edward Grant, Delmer Daves
Elenco: Richard Widmark, Nick Adams, Felicia Farr, Susan Kohner, Stephanie Griffin, George Mathews

Sinopse:
Durante a colonização do velho oeste americano, um grupo de pioneiros são atacados por selvagens das tribos Apaches que vivem na região. Eles conseguem sobreviver, mas ficam perdidos no meio do deserto. Sua única chance aparece quando um homem branco chamado Todd (Richard Widmark), que viveu entre os comanches, surge para ajudá-los a sair dali com vida.

Comentários:
Bom faroeste, bem valorizado por ter um elenco muito bom e um roteiro eficiente, que não perde tempo com bobagens. O diretor Delmer Daves era um especialista em fitas de western e aqui resolveu não perder muito tempo, usando como estrutura de roteiro um enredo ágil, rápido, mas muito bem escrito. O filme é estrelado pelo ator Richard Widmark que interpreta um personagem bem dúbio, que ora pode ser a salvação de toda aquela gente, ora pode se tornar sua ruína final. Ele é conhecido como Comanche Todd, pois apesar de ser branco, sempre conviveu com as tribos comanches do deserto do Arizona. Ele é procurado pela lei, pela morte de três homens, em situações que nunca ficaram muito bem esclarecidas. Assim os colonos aceitam sua ajuda, mas ficam sempre com um pé atrás, pois ele pode guiar a caravana para um lugar seguro ou levá-los para uma emboscada, onde serão mortos pelos guerreiros apaches. O roteiro joga o tempo todo com essa situação de suspense, trazendo no final ótimo resultado em termos de suspense e roteiro. Como escrevi, um bom filme, muito bem orquestrado por causa de seu inteligente argumento.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Alvarez Kelly

Uma guerra não se vence apenas com tropas e armas. É preciso provisões, alimentos, para os soldados que vão lutar nela. Essa história se passa durante a guerra civil americana. Alvarez Kelly (William Holden) é um comerciante de gado, que atravessa grandes distâncias para vender os animais como alimento para o exército da União. Ele é um sujeito pragmático, disposto a vender seu produto a qualquer lado do conflito, desde que seja bem pago.

Durante a entrega de mais um rebanho, Kelly é raptado por soldados da Confederação liderados pelo Coronel Tom Rossiter (Richard Widmark). A ideia é fazer com que Kelly ajude aos rebeldes do sul no roubo de todo aquele gado, o levando para Richmond, cidade confederada sitiada por tropas do general da União Grant. Com o rebanho servindo de provisão, o exército sulista poderia aguentar por mais tempo.

O filme tem várias reviravoltas, sempre com Kelly nas mãos dos confederados. Ele é um velho cowboy experiente, nascido no México, filho de pais irlandeses, que na verdade pouco está se importando com quem vencerá a guerra. A estrutura do roteiro tem alguns problemas, principalmente com quebras de ritmo, causadas principalmente por idas e vindas da história. Não consegui localizar a informação se a história contada no filme é de fato real. Pelos letreiros finais dá-se a entender que sim, porém pessoalmente acho pouco provável que de fato tenha acontecido. Roubar gado de tropas da União para levar até o front confederado soa mesmo como mera ficção.

De qualquer forma o filme vale a pena. Afinal temos aqui dois grandes atores em cena. O ator William Holden já não era o grande galã do passado. Problemas de alcoolismo crônico o debilitaram bastante. O curioso é que seu personagem fica o tempo todo em busca de bebida (de preferência whisky escocês!), numa incômoda referência com aspectos de sua vida pessoal. Melhor se sai Richard Widmark. Você não sentirá qualquer simpatia por seu personagem, um Coronel confederado com sinais de psicopatia e crueldade. Isso é sinal que Widmark fez bem seu trabalho, afinal vilões são criados para isso mesmo, causar repulsa no público. Por fim uma curiosidade interessante: o filme foi lançado nos cinemas brasileiros com o equivocado título de "Tenente Kelly" (um absurdo pois o personagem não era um tenente!). Com os anos acabou ficando conhecido apenas como "Alvarez Kelly", o que convenhamos era o mais adequado.

Tenente Kelly (Alvarez Kelly 1966) Direção: Edward Dmytryk / Roteiro: Franklin Coen / Elenco: William Holden, Richard Widmark, Janice Rule / Sinopse: Alvarez Kelly (William Holden) é um comerciante de gado que vende rebanhos para as tropas da União. Durante a entrega de mais um lote de animais ele é capturado pelo exército confederado inimigo. Sob julgo do Coronel rebelde sulista Tom Rossiter (Richard Widmark) ele é forçado a participar de um plano de roubo do gado para ser levado até Richmond, cidade sob controle da confederação que está sofrendo ataque dos ianques.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 4 de julho de 2017

O Retorno de Clint, O Estranho

Título no Brasil: O Retorno de Clint, O Estranho
Título Original: Il Ritorno di Clint il Solitario
Ano de Produção: 1972
País: Itália, Espanha
Estúdio: Doria G. Film
Direção: Alfonso Balcázar (George Martin)
Roteiro: Alfonso Balcázar, Giovanni Simonelli
Elenco: George Martin, Marina Malfatti, Klaus Kinski, Daniel Martín, Augusto Pescarini, Francisco José Huetos
                   
Sinopse:
Após vingar a morte de seu irmão, o pistoleiro conhecido como "Clint, O Solitário" resolve retornar para sua cidade natal. Ele reencontra sua esposa e seus dois filhos menores vivendo em um rancho. Há muito o que superar pois ele os abandonou seis anos atrás. Enquanto tenta convencer sua esposa a voltar, Clint precisa lidar com outra situação perigosa: um caçador de recompensas chamado Scott (Klaus Kinski) está decidido a capturá-lo vivo ou morto!

Comentários:

Esse western spaghetti também é conhecido como "Trinity... Alguém Te Espera!", pois foi com esse título que ele foi lançado em alguns cinemas brasileiros nos anos 70. Claro que é um título oportunista pois não traz o personagem Trinity, mas sim Clint, o pistoleiro criado pelo ator e diretor George Martin (cujo nome real era Alfonso Balcázar). Essa produção é obviamente a sequência de "Clint, O Solitário" e segue os mesmos passos do filme anterior. Martin tem a mesma linha de Django, ou seja, um personagem de poucas palavras e bom de mira! Ele também abusa dos closes, principalmente nos segundos que antecedem um duelo ou um tiroteio. Outro ponto a se destacar é a trilha sonora, assinada por Ennio Morricone, o maestro e mestre dos filmes italianos de faroeste. No elenco além de Martin se destaca a presença de Klaus Kinski como o caçador de recompensas. Com cabelos longos, um eterno charuto na boca e cara de maluco, ele rouba as cenas diversas vezes. Poucos cinéfilos se lembram disso, mas Klaus Kinski fez muitos filmes de bang bang spaghetti, geralmente interpretando vilões e assassinos psicóticos, um tipo de papel que, diga-se de passagem, lhe caía muito bem.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.